“Occupy Wall Street não é um protesto, mas um protótipo” por Douglas Rushkoff

Tomei a liberdade de traduzir esse texto do Douglas Rushkoff publicado pela CNN há alguns dias. Me baseei nesse original em inglês e nessa tradução em espanhol do Pijama Surf.

Quanto mais familiar torna-se algo, menos ameaçador nos parece. É por isso que as simpáticas imagens de estudantes universitários marchando pela Broadway ou garotos sem camiseta tocando tambores são parte do que vemos do movimento “Occupy Wall Street”. Os corretores da bolsa observam por detrás das barricadas da polícia, e o que parecia ser mais um movimento de protesto se estende por um dia, uma semana, um mês.

Mas “Occupy” é qualquer coisa menos um movimento de protesto. É o que tem dificultado às agências de notícias expressar ou mesmo discernir a “demanda” crescente de legiões de participantes do Occupy pelo país, ou até pelo mundo. Como acontece com todo mundo no planeta, os ocupantes podem querer que muitas coisas aconteçam e que outras coisas parem de acontecer, mas a ocupação não é sobre exigências. Eles não querem nada de você, e não há nada que você possa fazer para detê-los. Isto é o que faz Occupy tão estranho e promissor. Não é um protesto, mas um protótipo de um novo estilo de vida.

Mas não me levem a mal. Os ocupantes não propõem que vivamos todos na calçada e durmindo sob abrigos precários. De qualquer forma, a maioria de nós não teria a coragem, vigor ou força moral pra dar um duro tanto quanto esses caras estão dando. (Sim, eles estão dando um duro maior do que qualquer mineiro ou agricultor pudessem entender.) Os acampamentos de sobrevivência urbanos que eles estão montando pelo mundo na realidade são mais como congressos, ou pequenas zonas de experimentação de ideias e comportamentos, que talvez mais tarde implementaremos em nossas comunidades, e do nosso jeito.

Os ocupantes estão forjando uma robusta micro-sociedade de grupos de trabalho, cada um descobrindo novos pontos de vista – ou revivendo alguns antigos – para os problemas vigentes. Por exemplo a Assembleia Geral, uma maneira flexível de discussão em grupo e construção de um consenso. Mas, ao contrário das regras parlamentares que promovem o debate, a diferença e a decisão, a Assembleia Geral dá vida a novos elementos. A coisa toda é orquestrada pelos simples gestos das mãos. Os tópicos são priorizados por importância, e todo mundo tem a oportunidade de falar. Até depois dos votos as exceções e objeções são incorporados como emendas.

Essa é apenas uma razão pela qual os ocupantes parecem incompatíveis com as ideias atuais sobre a demanda política, ou a luta da direita contra a esquerda. Eles não estão interessados em debater (ou o que os filósofos do Renascimento chamavam de “dialética”), mas sim no consenso. Estão trabalhando para ir além do sistema binário de operação política, um sistema do século XIII, onde o vencedor leva tudo. Como os desenvolvedores de software, eles estão aprendendo a “lançar antes e lançar sempre”.

Do mesmo modo, os ocupantes adotaram a solução de internet do Free Network Foundation, que ergueu “Freedom Towers” nos acampamentos de Nova York, Austin e em outros lugares, através das quais as pessoas podem acessar Wi-Fi gratuito, sem censura e autenticado. Quando esta tecnologia chegar às nossas comunidades, o que acontecerá com os provedores de internet corporativos, ninguém sabe.

Os ocupantes têm formado grupos de trabalho para enfrentar uma miríade de problemas econômicos e sociais, e a maioria dos acampamentos têm servido como laboratórios de soluções para o que vem por aí. Um grupo está estudando uma moeda complementar para ser utilizada, em princípio, dentro da rede de comunidades do movimento. A eficácia disto será testada e melhorada pelos ocupantes a fim de prover uns aos outros com bens e serviços, antes que ela seja liberada aos outros ao redor do mundo. Outro grupo está incitando as pessoas a tirarem seu dinheiro dos bancos no próximo dia 5 de novembro, e fazer a transferência para bancos locais ou cooperativas de crédito.

Concorde ou não com o que precisa mudar na sociedade moderna, nós precisamos pelo menos entender que os ocupantes não são um mero movimento político, nem ao menos garotos preguiçosos dando uma desculpa pra não trabalhar. Pelo contrário, eles sabem da inutilidade de usar as ferramentas de uma sociedade competitiva, onde o ganhador leva tudo, e que seria mais adequado usar as ferramentas de ajuda mútua. Esse não é um jogo onde alguém ganha, mas uma forma melhor de jogar, em que mais gente se une e o jogo dura mais tempo.

Eles triunfarão na medida em que vários modelos que estão usando como protótipos sobre a calçada permeiem desde aqueles que estão trabalhando nas soluções até o conforto de nossos lares e escritórios. Pois se chegarmos a adotar ou ao menos considerar opções tais como produção e comércio local, cooperativas de crédito, acesso livre às tecnologias de comunicação e uma democracia realmente sustentada por um consenso, então todos nós nos converteremos em ocupantes.

(A imagem vem do Occupationalist, um site de notícias feito pelo Bogusky.)

About these ads

Uma resposta em ““Occupy Wall Street não é um protesto, mas um protótipo” por Douglas Rushkoff

  1. Pingback: Douglas Rushkoff sobre o OcuppyWallStreet | Trabalho Sujo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s