Um não tão novo tipo de trabalho

Pois bem, ganhei umas edições velhas da revista Trip do meu pai.

Numa de 2003 eu achei uma matéria sobre uma nova forma de se pensar em trabalho. Um novo jeito, meio diferente daquilo que nossos pais pensavam, sobre “ter uma casa própria, um emprego no Banco do Brasil e uma família”, como disse a filósofa Viviane Mosé. Isso soa familiar ainda, não?

Percebi que não é tão nova essa ideia de se trabalhar com algo que você goste tanto que possa se atirar de cabeça, tornando seu trabalho algo tão bacana que você nem chama de trabalho. Essa coisa que taguearam de “worklover” hoje em dia. E é possível.

Eu acredito que se um tema pauta nossas conversas por mais de 8 anos, é porque talvez aquilo seja bem da verdade, ou no mínimo relevante. De imediato lembrei daquele texto do Alexandre Matias sobre trabalho, “sua vida, saca?”, que ele escreveu em 2007 e citou esse ano (ou ano passado) ainda como um assunto atual.

É pertinente pra mim – pessoa recém-formada em publicidade, com 21 anos, na “época mais produtiva de nossas vidas”, como diria o Léo – e pra muita gente que tem sacado que o futuro não é mais que uma promessa, e quem constrói ele é você. Depois de tudo que aconteceu no século passado, todas as descobertas e liberações, será que ainda é válido ter que se standardizar pra “ser alguém na vida”? Isso tem bem a ver com o lance todo de Geração Y (vídeo em anexo pra quem não sabe ainda o que é isso), Caudas Longas e revoluções espanholas.

Esse mundo de hoje já não precisa de gente que simplesmente execute e reproduza. A gente tá precisando de gente que pense, execute, conecte e trabalhe em grupo. Certas hierarquias já não fazem mais sentido. A maioria das vezes elas geram uma competição inútil pra alcançar um topo. E só.

Nessa matéria da Trip tem uma entrevista bacanosa com a Viviane Mosé. Se tu ler a entrevista com ela e o texto do Matias, não preciso explicar mais nada.

Vai lá, tem no Google Books, tá lá pela página 86.

PS1: O texto to Matias é de 2003, e foi re-postado em 2007.

PS2: numa Trip de 2001 tinha uma seção que fala da descriminalização da maconha. Do mesmo jeito que falam hoje. Não mudou nada😛

 

 

 

 

4 respostas em “Um não tão novo tipo de trabalho

  1. Pingback: O último mês de nossas vidas | implosão do sentido

  2. Pingback: The last month of our lives. | implosão do sentido

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s