Samuel Cardeal e os “Poemas Naturais”

Minha família é foda, disso não tenho dúvida. A sua também é, com certeza. Mas a minha tem histórias incríveis (tipo a história de uma tia-avó que foi governanta do Getúlio Vargas).

Meu vô, como eu já disse, desbravou o sul do Brasil na década de 40 (estrada de terra meu amigo, dias pra percorrer alguns quilômetros).

Um dos meus tios, por exemplo, tem uma habilidade fantástica: sabe usar todos os dedos. Ao mesmo tempo. Toca violão desde guri novo (assim que o vô se refere a quando ele tinha aquela idade), e estuda violão clássico desde então.

Ele gravou um álbum chamado “Poemas Naturais” com 12 faixas; uma pra cada um dos nove irmãos, mais os pais. Cada música tem um nome correspondente a uma característica do irmão, tem uma tia que tem a música de nome vento (tem parte I e II), minha mãe é areias. Não é por ser da família não, mas eu particularmente acho muito foda.

Tem um trecho de “Vento” (em 2:14) que me lembra essa cena de Babel, não sei por quê. Fato é que essas músicas de uns 20 anos atrás tão no youtube agora. Começa pela mãe e termina no pai.

Anúncios

itinerância hereditária

O vô falou pouco antes de eu sair que ele foi até Porto Alegre pelos seus 16 ou 17 anos. Botou a mochila nas costas e foi. Desceu de Brusque, passou por Florianópolis e Aranguá, até atravessar a fronteira com o Rio Grande do Sul, antes de 1945. Depois de visitar a capital gaúcha, subiu a serra e visitou o interior do estado até chegar em Santa Maria e subir pelo velho-oeste catarinense. Foi até a divisa com o Paraná, em Porto União, descendo por Videira (diz ele que um homem o chamou pra trabalhar e morar lá. O que seria de mim né?) e voltando pra casa por Blumenau.

Alguns anos depois ele viajaria pro Rio de Janeiro, onde seria projetista de cinema e compraria sua primeira bússola, o que definiria sua profissão pro resto da vida: medidor de terras. Um desbravador nato.

O motivo? O mesmo que o meu, da minha mãe, dos meus tios e dos tios dos meus tios: botar a mochila nas costas e caminhar o mundo.

(essa é a única foto que consegui.)